Category Archives: ANARQUISTAS PRESXS

Chile – Jornada Anti-Carcerária em Solidariedade com Nataly, Juan e Enrique

via TURBA NEGRA

Difundo a partir da publicação da Coordinadora Anticarcelaria La Fuga e mando forças axs compas que estão levantando essa movida em solidariedade axs compas presxs: Juan, Nataly e Enrique.

O julgamento contra xs companheirxs foi iniciado em 24 de março desse ano, e após um longo julgamento, as condenações e acusações da acusação são as seguintes:

Enrique Guzmán: acusado da confecção do dispositivo explosivo utilizado no 1º Delegacia do centro de Santiago. Formalizado pela lei antiterrorista, a acusação pede 10 anos de prisão.

Nataly Casanova: acusada da confecção do dispositivo explosivo utilizado no 1º Delegacia do centro de Santiago, da colocação do dispositivo explosivo no metrô, posse de material para fabricação de material explosivo. Formalizada pela lei antiterrorista, a promotoria pede 20 anos de prisão.

Juan Flores: acusado da colocação do dispositivo explosivo utilizado no 1º Delegacia do centro de Santiago, da colocação do dispositivo explosivo no metrô, da colocação do dispositivo explosivo no subcentro. Formalizado pela lei antiterrorista, a promotoria solicita uma sentença perpétua contra ele.

Abaixo o estado policial e suas montagens no Caso Bombas 2.
Liberdade à Nataly, Juan, Enrique e todxs xs presxs em luta!

Domingo 19 de novembro
do lado de fora da prisão de San Miguel

A partir das 11hs

*Assessoria legal e penitenciária para familiares e próximxs de pessoas encarceiradas.
*Conversa com compas de 81 Razones x Luchar, Observatorio Social Penitenciario, coordenador do DDHH Mauricio Hernandez e outrxs compas.
*Música, olla común e atividades para crianças

Cagliari, Itália – Anarquista Paolo preso por roubo

via Nobordersard

Tradução TURBA NEGRA

Cagliari, Itália – Anarquista Paolo preso por roubo

Na terça-feira, 31 de outubro, nosso companheiro Paolo foi preso junto com dois companheiros, logo após o assalto ao escritório dos correios no subúrbio de Cagliari. Depois de deixarem o escritório de correios, eles tentaram fugir, mas a infâmia de uma testemunha forneceu informações muito precisas aos policiais, que, portanto, conseguiram organizar um cerco e interceptá-los enquanto eles estavam fugindo.

Eles não ofereceram resistência. As roupas e as armas usadas no assalto foram encontradas no carro.

Toda a nossa proximidade e solidariedade para eles. Nós não sabemos por que eles fizeram essa escolha, e nós não nos importamos. Sabemos que quem organiza para privar o Estado e os patrões do que eles precisam, faz o certo, sempre.

Mas, estamos enojadxs por aquelas pessoas que, por um “senso de dever cívico” (expressão usada pelo chefe da polícia de Cagliari), criticam aquelxs que se organizam e agem para ter o que precisam, tirando o que por natureza é o pior explorador no mundo, o Estado.

Do lado daqueles que não abaixam a cabeça.

O final do julgamento sobre o subcentro se aproxima

via PUBLICACION REFRACTARIO

Durante a última quinzena de novembro, espera-se que o macroprocesso iniciado sob a lei antiterrorista pelos ataques contra o subcentro, o metrô “los dominicos” e duas estações de polícia em Santiago chegue ao fim.

O chamado “Caso Bombs 2”, iniciado há mais de dois anos contra xs companheirxs Enrique Guzman, Nataly Casanova e Juan Flores, tem aproximadamente 7 meses de julgamento sob a lei antiterrorista, são finalmente por esses dias que o processo está se concluindo. Após os argumentos de encerramento, é de se esperar o veredicto que  o tribunal oral penal* decidirá inocência ou culpa e por qual crime, para então – no caso de ser condenadxs culpadxs – ditar a sentença.

É necessário lembrar que, após esta instância, tanto a defesa quanto a promotoria podem recorrer da decisão, porque, se este é um giro da engrenagem judicial contra xs companheirxs, não é o último.

Lembre-se das acusações e penalidades que o poder solicita contra Enrique, Nataly e Juan:

  • Enrique Guzmán: acusado pela confecção do artefato explosivo usado no 1º Posto Policial de Santiago Centro. Enquadrado pela lei antiterrorista, a promotoria solicita 10 anos de prisão.
  • Nataly Casanova: acusada pela confecção do dispositivo explosivo utilizado no 1º Posto Policial de Santiago Centro, da colocação do dispositivo explosivo no vagão de metrô da estação “los dominicos”, posse de material para fabricação de material explosivo. Enquadrada pela lei antiterrorista, a promotoria pede 20 anos de prisão.
  • Juan Flores: acusado pela colocação do dispositivo explosivo utilizado no 1º Posto Policial de Santiago Centro, da colocação do dispositivo explosivo no vagão de metrô da estação “los dominicos”, da colocação do dispositivo explosivo no subcentro. Enquadrado pela lei antiterrorista, a promotoria solicita uma sentença perpétua contra ele.

Solidariedade combativa frente à inquisição democrática!

*“tribunal penal oral” é um tribunal ordinário de única instância.

“EXPERIMENTANDO A VINGATIVIDADE DO SISTEMA”

via ACT FOR FREEDOM NOW

“Carta dxs compas anarquistas Vaggelis Stathopoulos e Christoforos Kortesis”

Experimentando a vingatividade do sistema

Sete anos e meio depois da nossa prisão em abril de 2010 no caso da Luta Revolucionária, na terça-feira 24/10 seu julgamento de segundo grau terminou. E este tribunal ratificou o óbvio com a sua decisão: através dele fomos declarados oponentes do regime e tratados como tal. Quanto a nós, a nossa condenação de 6 anos de prisão — acrescida com formação de organização terrorista, uma carga-chave para acusações – é devida exclusivamente ao que declaramos desde o primeiro momento em que recusamos a acusação: nossa identidade política e ação como anarquistas, bem como a nossa atitude insubordinada em relação a todos os processos de investigação e judicial.

A vingança dos mecanismos de acusação penetra em todos os estágios da nossa acusação, que culminou em reclusão após a decisão mais recente. Para o restante da nossa sentença que ainda temos de cumprir (5 meses e 8 meses, respectivamente), o promotor de sentenças Drakos teve um cuidado especial quanto a nós, enviando-nos para as prisões de Alikarnassos e Kerkira, respectivamente, isolando-nos daqueles que estão perto de nós e nossos ambiente político.

Claro, todos nós estamos acostumadxs a ouvir histórias de repressão com os vários tipos de “Drakos”: quando, um ano após nossas prisões, o conselho de 12 meses de prisão liberou-nos devido à falta de provas, foi o procurador da Suprema Corte Ioannis Tentes que apelou esta decisão e confirmou o caráter político da nossa acusação. Quando, um mês antes da decisão do primeiro julgamento, o então o ministro da Proteção dos Cidadãos Nikos Dendias enviou um documento informal com “terroristas perigosos” para o “jornalismo independente”, que inclui os nomes de muitos outros camaradas, ele não fez mais do que confirmar o “idionymon”* moderno para aquelxs que resistem.

Mesmo até o dia da decisão de apelação, quer dizer, por 4,5 anos, nós permanecemos livres (com restrições). Nós não fomos “corrigidos” todos esses anos, também não iremos. Nós continuamos sempre com a destruição de estado e capital como nosso horizonte ao lado dxs oprimidxs e aquelxs que lutam por um mundo de igualdade, liberdade e solidariedade.

Do centro de detenção provisória na rua Petrou Ralli, algumas horas antes nossa transferência.

Vaggelis Stathopoulos, Christoforos Kortesis.

* lei “relativa a medidas de segurança para o estabelecimento social e proteção da liberdade”, introduzida pelo governo Venizelos em 1929 com o objetivo de penalizar as idéias insurrecionais e, em particular, desencadear acusações contra comunistas, anarquistas e reforçar a repressão
contra as mobilizações sindicalistas.

 

 

 

 

 

Atenas: o primeiro julgamento de apelação do grupo Luta Revolucionária, que começou em 22 de maio de 2015, terminou em 25 de outubro de 2017

via ACT FOR FREEDOM NOW

tradução tormentas de fogo

O Tribunal de Apelação de cinco membros terminou após dois anos e meio de sessões na prisão feminina de Korydallos.

O Tribunal de Recurso validou a decisão da primeira instância. Sentença de 46 anos de prisão (dos 50,5 anos impostos anteriormente) para xs dois principais arguidxs (Kostas Gournas e Nikos Maziotis e para Pola Roupa 49 anos) que assumiram a responsabilidade pela participação na organização e 6 anos (dos 7 impostos anteriormente) para ambos (E. Stathopoulos e Ch. Kortesis), que recusam as acusações.

Após a conclusão do processo judicial, os camaradas Vangelis Stathopoulos e Christoforos kortesis, que estavam fora da prisão com medidas restritivas nos últimos três anos, foram trazidos de volta à prisão para completar suas sentenças.

Carta do companheiro anárquico Fernando Bárcenas

via CONTRAINFO

tradução por tormentasdefogo

(10/10/2017)

Para xs companheirxs rebeldes

Eu escrevo para todxs aquelxs que constroem seus caminhos de autonomia, para lembrar que dentro desses muros tentamos arrebentar nosso tempo vital da maquinaria gerando momentos de lucidez em um mundo asfixianteFoi assim que, nesses anos, houve propostas de resistência, de combates isolados em áreas esquecidas, gritos perdidos na obscuridade, a momentos coletivos de organização informal no cotidiano do regime aberto, isto é, na população em geral, onde, há quase três anos, surgiu a ideia de criar um espaço diferente onde os prisioneiros podem gritar que já basta de tanta aniquilação, sabemos que o sistema penitenciário é projetado para sujeitar nossos corpos e nossas mentes à estrutura do comércio e é por isso que não vamos pedir que mudem, sabemos que o dinheiro é a linguagem dos poderosos e, por isso mesmo, não temos pedidos, agora queremos autogestionar nossas vidas nessas paredes, porque sabemos que o que seus programas de reabilitação social procuram é criar seres submissos, arrependidos e culpados e que, portanto, aceitem o trabalho escravo nas mãos dos funcionários da prisão.

Assim, surgiu a ideia de fundar uma biblioteca alternativa no auditório do Reclusório Norte. Mas para que cresça este projeto de autonomia e permitir o seu funcionamento, precisamos de seu apoio e solidariedade, porque dentro da prisão somos mais eficazmente reprimidos e por isso, este é um apelo a todxs aquelxs que sabem estar em guerra, nós precisamos de vocês, somente com vocês podemos alcançar a força para enfrentar a lógica podre do sistema…

Não nos deixe sós na construção de mais um espaço para a autonomia, nossa luta não é menos importante, também somos escravos, filhos da guerra, somos pobres, chamados criminosos e por isso, somos marginalizados, mas junto a vocês, demostraremos que somos capazes de viver a liberdade aqui e agora, mesmo estando entre muros de pedra…

É por isso que pedimos apoio para manter este projeto, a biblioteca autônoma no Reclusório Norte.

Com amor e força para todxs.

Fernando Bárcenas.”

PARA ENVIAR SOLIDARIEDADE:

Reclusorio Preventivo Varonil Norte: Calle Jaime Nuno no. 155, Colonia Guadalupe Chalma, Cuautepec Barrio Bajo, C.P. 07210, Ciudad de México

cna.mexico@gmail.com

“Sobre a situação jurídica do nosso companheiro Marcelo Villarroel… ou Como a vingança do estado se perpetua em silêncio

 

via publicacionrefractario

tradução tormentas de fogo

 

Em Setembro passado, no 4º Fiscalia Militar de Santiago, foi notificada a recusa da petição para prescrever as sentenças feita pelo nosso kompañerx Marcelo há vários meses.

Imediatamente, Marcelo apelou dessa recusa, deixando a resolução do recurso nas mãos do Tribunal Marcial, onde se reafirmou a referida recusa nos primeiros dias de outubro.

Estas condenações correspondem a algumas causas originadas por ações emoldurdas na antiga militância no Mapu-lautaro, organização em que nosso kompa era lutador ativo desde pouca idade e de que, ainda na prisão, em 1995, foi expulso por “desvios anarquistas”.

Marcelo cumpriu ininterruptamente 11 anos, dois meses e quinze dias a partir de 13 de outubro de 1992 até 28 de dezembro de 2003, restando sua prisão noturna até março de 2005, onde é concedido a chamada “liberdade condicional”, que o obriga a assinar um documento semanalmente até completar 20 anos de controle penitenciário.

Os primeiros dias de novembro de 2007 para Marcelo são marcados para ele pela participação no assalto ao Bank Segurity, ao lado de mais outros kompas, ação em que morreu um policial e que causou uma resposta do Estado sem precedentes. Marcelo decide passar à clandestinidade e, em fevereiro de 2008, em sua ausência, tem sua “liberdade condicional” revogada.

Em março de 2008, ele é detido na Argentina e, em setembro de 2014, ele é condenado a 14 anos por 2 assaltos à banco.

Nesse mesmo período, as penalidades relacionadas às antigas causas emanadas da sempre sinistra “Justiça Militar” foram revisadas, permanecendo da seguinte maneira:

– Associação ilícita terrorista: 10 anos e 1 dia.

– Danos a uma viatura com lesões graves aos carabineiros: 3 anos + 541 dias.

– Co-autoria de homicídio qualificado como terrorista: 15 anos e 1 dia.

– Roubo com intimidação, lei 18.314: 10 anos e 1 dia.

– Atentado explosivo contra embaixada da Espanha: 8 anos.

No total, essas condenações antigas totalizam 46 anos, estabelecendo como data de termino Fevereiro de 2056.

Há uma série de irregularidades nessa somatória e, embora a questão legal não é hoje nem foi ontem o nosso foco, acreditamos que se torna urgente e necessário enfrentar essa situação que à todas as luzes representa uma clara vingança contra um kompanheiro que mantém em alto suas convicções subversivas de corte autônomo e libertário que nunca abandonou o confronto direto pela libertação total, nem nunca renunciou à sua história de combate, deixando-o como mercadoria para livros ou prêmios para traficantes de histórias emprestadas, onde se refugiam centenas de renegadxs que perambulam por diferentes espaços pseudoradicais.

Nosso chamado é deixar a verborragia e os falsos gestos de solidariedade para enfrentar isso e cada uma das vinganças que vêm do Estado como uma política constante contra todxs aquelxs que não negam seus laços e convicções.

É hora de agir, de perceber que nenhum kompa na prisão está sozinhx.

PELA DESTRUIÇÃO DE TODAS AS PRISÕES!!!

ENQUANTO EXISTIR MISÉRIA, HAVERÁ REBELDÃO!!!

Pessoas próximas a Marcelo

Santiago-Valparaíso

Outubro de 2017

 

Comunicado do anarquista Marcelo Villarroel Sepúlveda

Essa é uma carta do prisioneiro anarquista Marcelo Villarroel Sepúlveda acerca do caso do anarquista Santiago Maldonado que ainda se encontra desaparecido. É também um chamado para ação. Suas palavras são bem-vindas compa!!! Fogo nas cadeias!!! Nós queremos nosso compa Santiago Maldonado vivo agora!!!

tormentas de fogo

EM LUTA CONSTANTE CONTRA TODAS AS JAULAS, A AMNÉSIA E A COVARDE PASSIVIDADE!!!

https://i.pinimg.com/564x/bf/a4/59/bfa45916744bd46e584e37ece7cb27f6.jpg

Estas palavras nascem e se tornam necessárias quando é preciso abraçar a todxs que se entregam sem limites ao buscar encontro com a libertação total.

Pela expansão da revolta, pela inequívoca confrontação com o poder, pela extensão das práticas autônomas da negação da dominação e tudo o que torna possível sua existência.

Enquanto escrevo, ódio e raiva me guiam… Enquanto cada qual percebe sua vida, existe uma queridx compa que nos falta…

SANTIAGO MALDONADO, o “Lechu”, o “Brujo”, desapareceu.
E não posso ficar em silêncio ou ignorar sua ausência física.

Desde que tivemos de viver a prisão na região dominada pelo Estado argentino, nossos passos se cruzaram. Nxs presxs, na província de Newken e Santiago, acenando na cidade de La Plata, ao lado de um universo de ativxs companheirxs, solidarixs e cúmplices…

Já se passaram mais de 9 anos desde que nossos passos se cruzaram no  contínuo caminho da irmandade, este caminho que nos coloca ambxs no mesmo lado da trincheira.

Porque há que dizer claramente: Estamos em guerra contra a opressão e a miséria! Contra toda a polícia, Estados, países e os covardes que acomodam seus discursos para torná-las inofensivas e integradas.

Não há como esquecer nunca que nós que decidimos continuar a ofensiva, assumimos o risco permanente. Não somos vítimas passivas das circunstâncias nem merxs espectadorxs.

É assim como Santiago, em completa coerência com seu sentimento anárquico, foi desaparecido desde 1 de agosto pela Gendarmería (força intermediária entre a Polícia e o Exército), enquanto solidarizava ativamente com a luta Mapuche em Cushamen, província de Chubut, ao sul da Argentina e próxima à fronteira com o Chile.

Já faz um mês e Lechuga não aparece. E embora Santiago esteja entre todxs nós que não esquecemos nem abandonamos a luta diária, a sua presença física nos falta.

Nós o traremos de volta revidando golpe por golpe, multiplicando seus gestos e atos em todo o planeta e contra os miseráveis responsáveis por não o podermos abraçar.

Da prisão, hoje, meu chamado é para aprofundar o ataque contra a amnésia e o medo. Porque quem diz creer em anarquia deve agir com concordância à dita convicção.

Centenas de prisioneirxs revolucionárixs ao redor do mundo unidxs por convicções semelhantes, somos a expressão viva de uma luta sem pátrias e sem fronteiras que busca a destruição total de todas as cadeias, gaiolas e cárceres onde vivem grande parte da gente desse planeta.

São tempos de combate, não podemos ocultar o evidente.

O fogo rebelde e ancestral está incinerando as máquinas do capital predatório, o sangue insurrecto derramado de nossos compas que caíram acompanham nossos rituais de guerra, nossas silenciosas conspirações buscam a única justiça possível: a vingança se faz urgente e necessária.

POR SANTIAGO E TODXS XS NOSSXS QUE CAÍRAM: NEM UM MINUTO DE SILÊNCIO E TODA UMA VIDA DE COMBATE!!!

SOLIDARIEDADE E FRATERNIDADE INTERNACIONAL PELA DEMOLIÇÃO DE TODAS AS PRISÕES!!!

ATÉ A DESTRUIÇÃO DO ÚLTIMO BASTIÃO DA SOCIEDADE CARCERÁRIA!!!

ENQUANTO EXISTIR MISÉRIA, HAVERÁ REBELIÃO!!!

Marcelo Villarroel Sepúlveda, prisionero libertário.

Presídio de segurança máxima.

Santiago, Chile.

30 agosto 2017.

via CONTRAINFO

Outro comunicado do anarquista preso Fernando Bárcenas

Mensagem recebida por e-mail 04/09/2017:

“Para xs compas rebeldes e aquelxs que não entendem o mundo à sua volta

Mais uma vez estou aqui escrevendo neste espaço de reflexão que me permite conhecer a mim mesmx e entender um pouco mais que sou livre, apesar de tudo.

É verdade que eu tenho estado num silêncio imposto por mim mesmx por vários meses porque meu humor está mudando, como tudo na vida, e às vezes eu gosto da solidão…

No entanto, agora que retomei o desejo de escrever, quero fazê-lo principalmente por 2 coisas; primeiro, para reiterar minha posição de guerra diária, porque às vezes algumas pessoas esquecem ou fingem esquecer que vivemos na guerra. E em segundo lugar, para esclarecer algumas coisas e questionar os outros sobre como aqui de dentro a solidariedade dxs compas no lado de fora.

De qualquer forma, para aqueles que não sabem muito sobre essas questões, serei breve em dizer que desde dezembro de 2013 sou prisioneiro por ousar atacar e questionar o modo de vida que nos impõe. Por essa razão, a postura do inimigo (o estado e o grande capital financeiro) foi clara, não haverá trégua, não há nenhum jeito de que alguém, consciente de sua rebeldia, que enfrenta sua realidade ditando suas próprias regras, possa deixar a prisão física, pois é um perigo potencial para a sua sociedade.

A prova disso é que mesmo na prisão, passei 3 de 4 anos em zonas de segregação, por manter uma atitude consistente com minhas idéias…

No entanto, isso não é tudo, mas eles também fizeram tudo de possível para impedir todos os procedimentos legais e recursos juridicos.

A única maneira de fazê-los ceder é ante a uma força maior, isto é, a força da solidariedade…

Agora, eu também quero esclarecer que nunca convoquei uma campanha pela minha liberdade. Pois se eu bem penso que seja necessário sair detrás dos muros, acho que isso deva ser feito de maneira que provoque uma ruptura e até mesmo a luta pela liberdade dxs compas presxs se torne um detonador, uma faísca que pode inflamar o resto de a população e, finalmente, entendo que não se pode lutar contra a prisão sem lutar contra toda a sociedade…

É por isso que sempre nos rebelamos pelas ruas, que são os grandes corredores que aprisionam nossos sonhos…

Então, isso é uma incitação à revolta e à atividade, não só para minha liberdade, mas para a liberdade de todxs.

Você não precisa de jornadas de luta ou de uma organização que lhe diga o que fazer, teste sua criatividade, vandalize os estabelecimentos, coloque faixas nas pontes, detone dispositivos explosivos, obstrua os canais de comunicação, deixe os de cima saberem e compreendam que eles não podem te controlar.

A guerra segue até que todxs sejam livres!

Fernando B.

Reclusório Norte, Cidade do México, 31/08/2017

tradução por tormentas de fogo

via CONTRAINFO

Comunicado do anarquista preso Fernando Bárcenas

Mensagem recebida por e-mail 04/09/2017:

Em primeiro lugar, esta é uma carta de esclarecimento, acredito que é difícil para as pessoas entender posições, idéias e formas de luta que sobrepõem violentamente os valores desta sociedade.

Então, neste sentido, quero esclarecer: quando digo que rejeito todas as formas de mediação e neguei ter representantes, falo não apenas de organizações e partidos políticos, mas de qualquer pessoa que tente controlar minha vida e use minha condição de prisioneiro para manipular e/ou anular minhas palavras e pensamentos.

No entanto, essa reflexão é muito mais profunda do que você pensa, porque, nos ambientes de pessoas supostamente conscientes da dominação, prevalecem muitos valores autoritários que sem querer e às vezes inconscientemente perturba e contribui ainda mais para impedir as pessoas que se pretende ajudar de alcançarem sua liberdade.

Uma dessas formas, por exemplo, é atribuir à família dxs presxs o poder de decidir o que é bom ou certo fazer para exercer pressão ou não no sentido de um adiantamento na libertação de companheirxs ou a expansão da revolta contra a prisão “fora” das paredes.

Quando um presx que não reconhece nenhuma representação manifesta essa posição, também fala de seus familiares e pessoas mais diretas, porque apesar de serem vínculos emocionais em sua vida, é necessário lembrar que a família é o núcleo e a primeira instituição que fomenta e reproduz esta prisão/sociedade.

Os valores da família tradicional burguesa reproduzem o domínio e a subordinação dos membrxs à estrutura estatal e, por essa mesma razão, reproduzem a dominação nas relações familiares que, disfarçadas de amor e carinho, entendidos à maneira burguesa, só degeneram em mais dominação.

Talvez os membros da família nunca o façam com a intenção de prejudicar xs entes queridxs, ao contrário, mas isso é algo que o sistema de dominação conhece bem e depois usa as famílias dxs presxs (por exemplo) para impedir qualquer ato de luta que possa vir de parceirxs afines que entendem que, enquanto alguém (família ou amigxs) continuar a dialogar e fazer o jogo estatal, não haverá maneira real de atacar seus interesses e retardar a repressão…

Fernando B.

Reclusório Norte, Cidade do México, 31/08/2017

tradução por tormentas de fogo

via CONTRAINFO